sexta-feira, 10 de junho de 2011

Código.





Você bate na porta, mas as pancadas
não ressoam no ar.
Você grita por mim
mas no vazio no vácuo
o som não se propaga

Um silêncio absoluto
um negrume de cegar
e devagar eu me deito
com quantos jeitos
e quantos olhos
vejo a escuridão de todos os modos.

Eu enxergo na escuridão da tua alma
eu vejo o que ninguém mais quer
ver
e é esquisito pensar assim
é esquisito enxergar ao certo
de perto
todos os ângulos de ti
como um camaleão
ou uma coruja
um telescópio
sou o teu hubble
cirurgião da tua alma
pesquisador dos teus pensamentos
desbravador do teu ser

E quando eu te decifrar
você será minha maior descoberta
eu ganharei prêmios
você será meu nobel

Você será minha Dulcinéia
e os meus moinhos
estarão no passado.

Eu matarei todos os gigantes
que aparecerem no caminho

só para te decifrar.

2 comentários:

  1. Oi Michel,
    Como vai?
    O seu poema é riquíssimo, sobretudo na conjugação verbal.
    Espera encontrar a sua Dulcinéia? Bonne chance!
    Abraços com luz.
    Aparece no meu blog, tem novo visual. Se quiser, deixa comentário.
    Bj com luz.

    ResponderExcluir
  2. Olá Michel,
    Como vai?
    Tantos dias sem postar? Então e eu , e nós?
    Vamos trabalhar, meu querido amigo. Valeu?
    Passe pelo meu blog, e se for falta de inspiração, lá encontrará divas, com as quais se perderá.
    Mas dê tudo. As palavras não, essas, ficarão para comentar, para desabafar.
    Abraços de luz.

    ResponderExcluir

O seu comentário é muito bem - vindo, fique a vontade!