sábado, 30 de outubro de 2010

Hotel



Quais são seus erros?
E defeitos?
Com que frequência os comete?
Aquela sacada antiga
de vidro em volta
me pareceu um erro.
Um erro.

Se eu fumasse
o que não é o caso
seria apenas por não ter nada melhor para fazer.
Como agora.
O medo. Medo.
Se quero algo, consequência é o que menos importa.
Satisfação?

De tombos em tombos
me conheço cada vez mais
gosto do que vejo?
Aos que me ajudaram até aqui
Retribuirei?
E aos que deveriam mesmo ter ajudado,
e não fizeram
Mágoa?

A culpa no fim é minha.
Eu supostamente deveria ser o
bem sucedido
sem tropeços
sem mentiras
sem nada de errado
tão inteligente.
Não calcularam que vida tem muitos anos à minha frente.
Sabe bem mais do que minha mera experiência de livros.

Pros diabos.
Ainda vou viver muito (pouco)
Veremos.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário é muito bem - vindo, fique a vontade!