sexta-feira, 28 de maio de 2010

"As casas vivem e morrem: há um tempo para construir (...) E um tempo para o vento estilhaçar..."
T.S. Eliot.





Quando saíu do nordeste
José
não por nome mas tradição
fugiu dos seus medos
queria um chão

quinze anos entre
a fuga
e a construção
terreno vazio
cimento, suor e alegria

seu lar sólido
sua casa tinha vida
tudo que nasce
você sabe bem
um dia
nem que se passe
trinta
cinquenta anos

sonhava com netos
mesmo que não falasse
a velhice tranquila

menino, ele diz:
'eu tinha tudo
minha casa feliz'
não culpo
José
nem este, nem outros
casas vivem e
morrem
como esta
deste conto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário é muito bem - vindo, fique a vontade!